Enoturismo em Punta

É fácil pensar em Punta del Este e logo imaginar praias, cassinos e festas, né?

O que pouca gente costuma imaginar é que na região mais badalada do paisito dá para fazer também enoturismo.

Enoturismo de qualidade, diga-se de passagem.

Lá pertinho do balneário há uma vinícola chamada Alto de la Ballena que oferece visitas guiadas e degustações.
                                                                               
Acho sempre um passeio imperdível para quem está viajando, não há quem não se renda ao charme dos vinhedos e uma degustação bem conduzida é sempre um prazer: são tantas as curiosidades interessantes que envolvem a produção da bebida e o jogo com os sentidos - olfato, vista, paladar, etc - é daqueles gostoso de jogar.

Outro ponto que vejo como positivo no enoturismo uruguaio é que a maioria das vinícolas são negócios de família, vemos pais, filhos e irmãos trabalhando juntos, o que torna o ambiente mais acolhedor.
E apesar do mundo do vinho ter lá suas frescuras, no Uruguay acho tudo muito acessível, chegamos nas vinícolas ou eventos especializados e sempre encontramos os proprietários dispostos a trocar figurinhas com os consumidores.

A bodega Alto de la Ballena possui uma ótima estrutura para receber os visitantes, os vinhos são excelentes, a vista da sala de degustações é belíssima e para os amantes dessa bebida que já sonharam em ter uma vinícola para chamar de sua rs, a história do casal dono do local é no minimo inspiradora! 

                                     Foto: altodelaballena.com



Punta del Este é ainda palco de grandes eventos enogastronômicos durante todo o ano, como por exemplo, o Salón del Vino Fino no famoso Hotel Conrad e o requintado Food & Wine Festival.

Próximo a Punta del Este há também a Bodega Garzón, um empreendimento de alto padrão, sem esse toque familiar que comentei anteriormente, que promete além das tradicionais catas de vinhos e azeite de oliva, propostas de lazer que incluem até passeios de balão.

Uruguay é mesmo um destino cheio de surpresas boas, não me canso de dizer! :)


Mais informações sobre as visitas à bodega Alto de la Ballena:

Há 3 tipos de visitas que custam 30, 40 e 50 dólares (a diferença corresponde à escolha dos grupos de vinhos que serão degustados).

Todas incluem passeio pelo vinhedo de Syrah que fica na parte alta da propriedade e a degustação acompanha queijos e pães.

O horário depende da estação do ano e disponibilidade da vinícola,  portanto reservas são necessárias. Agora no inverno as visitas acontecem a partir das 11h.

Vocês podem telefonar (094 410 328) ou enviar e-mail para visitas@altodelaballena.com .

O pagamento é feito em espécie, eles não trabalham com cartões.

Endereço:

Ruta 12 - Km. 16
Sierra de la Ballena - Maldonado


Abraço! 
0

Outras histórias de brasileiros no Uruguai

Já tinha comentado que estava com esse projeto de apresentar as histórias de outros brasileiros que vivem no Uruguay para vocês conhecerem outros pontos de vista sobre esse assunto que sempre rende papo aqui no blog: a vida no paisito.

Fiz um roteirinho com algumas perguntas envolvendo temas como custo de vida, trabalho, adaptação à cultura local, etc. 

Estava um pouco insegura de fazer uma inquisição um questionário com perguntas por vezes tão pessoais e expor na internet, mas acabou sendo tudo bem tranquilo, nossa 'entrevistada' colaborou bastante e foi até engraçado tomar nota de uma história que já conheço de trás pra frente.

A Sabrina foi a primeira amiga que tive em Montevideo, nos conhecemos numa entrevista de trabalho e a princípio ela não foi muito com a minha cara rs, mas entre uma ligação e outra no call center, uma patada aqui e acolá de algum cliente, construímos uma amizade que tenho muito orgulho.

Sem mais delongas, segue o resultado dessa conversa de comadres! ;)

BVU - Como surgiu a ideia de morar no Uruguay?

Bem, como mais de 90% das minhas amigas brasileiras, eu também vim pelo famoso “amor” rs. Visitei o país em 2009 em um congresso de extensão universitária e me apaixonei pela cidade, em seguida conheci meu namorado. Juntaram as duas coisas e não pensei duas vezes.

BVU - Como organizou a mudança?

Eu vim com 1.800 reais na intenção de estudar e trabalhar (fevereiro de 2010). Trouxe o básico e tive que ir comprando tudo aos poucos aqui. As roupas couberam dentro de uma mala grande, venho de uma cidade que faz muito calor, então não tinha roupas de frio.
Inicialmente fui morar numa residência estudantil, já tinha pesquisado os preços de aluguel e vi que com o que eu tinha não dava para nada. 

BVU - Como foi conseguir um lugar para morar?

Pesquisei por internet, consegui uma residência estudantil no bairro La Aguada.

BVU - O idioma foi uma barreira em algum momento?

Claro que sim, nunca tinha estudado espanhol. Por sorte meu namorado sabia falar português e me ajudava a entendê-lo. Não achava tão difícil para sair e comprar, porque de uma forma ou de outra as pessoas acabavam me entendendo. Mas para trabalhar em algo que não fosse call center em português, aí sim pesava bastante.

 BVU - Com o que trabalhava no Brasil e com o que trabalha atualmente?

No Brasil sou pedagoga e estava trabalhando na prefeitura municipal de João Pessoa, no departamento de coordenação de patrimônio cultural. 
Antes dessa experiência, trabalhei dois anos em projetos de extensão em presídios, com menores infratores e numa biblioteca digital para alunos do ProJovem. 

Atualmente trabalho na Universia Brasil como assistente de conteúdos e redatora de Portugal. Também tenho um projeto pessoal de uma revista chamada Padres (Pais) dirigida ao público familiar aqui em Montevideo.

BVU - Foi difícil conseguir trabalho? O que você acha do mercado uruguaio em relação a estrangeiros?

Hoje em dia, consigo fazer o que eu gosto e que de certa maneira tem a ver com minha profissão, mas até chegar nessa oportunidade, o caminho foi bem complicado.
Não tenho o diploma revalidado e isso dificulta ainda mais nos processos seletivos para trabalhar como educadora. Outro ponto é o idioma, porque justo para trabalhar como educadora, meu espanhol deveria ser “nativo”... o que não é rs! 

Acho que não podemos concorrer com as vagas dos “uruguaios”, digo isso porque se existem vagas especificas para um cargo administrativo, de recursos humanos, sei lá, qualquer coisa, eles vão dar preferência para os uruguaios. Nós, brasileiros, temos possibilidades de crescer nas empresas que trabalham para o Brasil, nada mais. 

De maneira geral, não é difícil conseguir trabalho no Uruguay, difícil é conseguir o trabalho que você quer e na área que estudou. 

BVU - Te parece um lugar barato para viver?

De maneira nenhuma. Uma coisa que eu sempre digo é que no Brasil existe produtos de marca caros, mas você sempre tem opção de comprar um mais barato. Aqui não, ou é o caro ou é o caro, não existe meio termo.

Os aluguéis também são caros. O que me convence é o preço da roupa e dos táxis!

BVU - Qual item pesa mais no orçamento doméstico? Ex.: educação, moradia, transporte, alimentação, vestuário, etc.

Acho escola para crianças o item mais caro.
No Brasil temos como colocar nossos filhos em escolas muito boas ou escolas como dizem, de fundo de quintal, de bairro. Temos escolhas, mas aqui não. 
As escolas estão muito caras! Desde as mais simples! Vi escolas que pedem 10 mil pesos tempo completo, mas como pago 10 mil se ganho 15 mil? Ah, só para constar, tenho duas filhas, assim que seriam 20 mil... não daria se não tivesse conseguido uma bolsa parcial! O aluguel e a comida também pesa muito.

BVU - Como foi a adaptação das meninas na escola?

Minhas filhas quando chegaram não sabiam absolutamente nada de espanhol. A pequena tinha 3 anos e a maior 6 anos. 
Uma das minhas preocupações era que elas não pudessem acompanhar as outras crianças na escola, mas deu tudo certo, crianças pegam super rápido tudo... me deu até inveja rs, eu demorei tanto e elas com 3 meses já estavam tagarelando em espanhol!

Elas adoram viver aqui, foi tudo novo, saímos de uma cidade que fazia 30 graus o ano inteiro para um país que faz frio de verdade, no começo elas adoravam colocar as roupinhas de inverno e participar da cultura diferente: a pequena até a jura da bandeira já fez, como uma uruguaia mais na escola, e no halloween elas se fantasiam e vão com as outras crianças de porta em porta pedir doces, enfim, elas se adaptaram muito bem e rápido.

Brasileiros no Uruguai
                                                                 Lindinhas da tia!

 BVU - Você já sofreu algum tipo de preconceito no Uruguay?

Não, nenhum.

BVU - Qual foi a maior dificuldade de adaptação?

Acho que ter que acostumar com a velocidade mínima dos ônibus, isso até hoje me deixa bastante irritada rsrs.

BVU - Há alguma informação que se você soubesse antes de ir, teria facilitado ou acelerado seu processo de adaptação?

Na minha opinião, a informação mais útil seria saber como proceder com a certidão de nascimento para tirar a residência fixa. É muita complicação de documentos que vai e vem. Se tivesse essa informação antes, ficaria muito mais fácil. 
Até hoje tenho problemas, porque morava em João Pessoa, mas nasci em São Paulo e não tenho quem faça o tramite que eles pedem. Vou ver se faço ano que vem, pelo menos dou um pulinho em São Paulo.

BVU - O que você espera conquistar a médio ou largo prazo vivendo no Uruguay?

Eu espero crescer com meus projetos pessoais, recentemente junto a meu namorado, criamos uma página de desenho gráfico e web, traduções e textos, chamada Lemon Dess e junto com a revista Padres, espero poder ter minha independência financeira, poder comprar uma casa e um carro no futuro.

BVU - Qual conselho você daria a quem está pensando em viver em terras charruas?

Eu continuo apaixonada pelo  Uruguay e acho que  é um ótimo país para viver, principalmente para criar minhas filhas.  Como todo país você vai se deparar com coisas que não te agradam, mas isso vai passar em todos os lugares.  
Acho que o essencial antes de vir é se informar do custo para viver e da documentação necessária para ser residente. 


Brasileiros no Uruguai
                                        Sabrina e o companheiro Juan.

********

Deixo registrado meu agradecimento a Sabrina pela confiança e disposição em ajudar, desejo muita felicidade em seus caminhos e prosperidade em todos os seus projetos.

Espero que vocês tenham gostado do bate-papo! ;)

Abraço!

44

MAM - Mercado Agrícola de Montevidéu

Uma das noticias mais comentadas nas últimas semanas lá no Uruguay diz respeito à reinauguração do Mercado Agrícola de Montevideo, todo mundo estava um tantinho curioso para ver  de perto o resultado do projeto e já adianto que a opinião do grande público vem sendo altamente positiva.

O Mercado Agrícola tem 100 anos de história, já foi declarado Monumento Histórico Nacional, desempenhou papel importante no comércio de alimentos da cidade e as estruturas de ferro, madeira e vidrais compõem uma arquitetura de encher os olhos.



Com todos esses atrativos, fica difícil imaginar que o prédio passou anos em estado de abandono e deterioração. 

O projeto de revitalização começou no ano de 2005 e na minha opinião um grande mérito foi envolver também a comunidade na causa, entender o mercado como o coração do bairro e melhorar também todo o entorno onde o edifício está inserido. 

Segundo as entrevistas que li, foram 8 anos trabalhando nessa ideia e a caminhada não foi nada fácil, mas é bacana ver que conseguiram alcançar certos objetivos e o mercado hoje está lindo, gerando oportunidades: são 107 locais com vendas de frutas e verduras, praça de alimentação, serviços e ofertas culturais.




                                            Todas as fotos copiadas do site mam.com.uy


Dizem que dar uma voltinha pelo Mercado Agrícola é algo como uma volta às tradições, ao natural, visitando o site do espaço percebemos a presença de palavras-chaves como nossa identidade, nossa história, um lugar de encontro para toda família

E propostas assim me apetecem, ainda não pude ir porque não estou na cidade e vou levar mais alguns meses para voltar, mas achei que deveria contar um pouco sobre o lugar para os que estão com viagem marcada e têm interesse nesse tipo de atividade, possam programar uma visita (vou gostar de receber fotos rs).

Endereço:

Bairro Goes - Rua José L. Terra número 2220, entre Martín García e Dr. Juan José de Amézaga (perto do Palácio Legislativo).


Horário:

Aberto todos os dias das 8h às 22h.


Ah! Sabem a cervejaria Mastra que comentei já comentei por aqui? Eles têm um local no Mercado.

Lá vocês encontrarão também um mural do artista plástico Carlos Páez Vilaró, aos 90 anos de idade ele continua produzindo, acho fantástico!



Abraço! ;)

20

Viver no Uruguai - Parte 3: Custo de Vida em Montevidéu

Estava em dúvida sobre qual tema iria comentar aqui no blog e pedi ajuda ao pessoal lá na fan page: dei três opções de assuntos e a escolha da maioria foi a continuação dos meus pitacos sobre a vida no Uruguai.

Fiquei pensando em algo novo para escrever e logo lembrei que tinha lido dados interessantes sobre a média salarial no paisito

Dos aspectos que envolvem uma eventual mudança, a questão do trabalho costuma ocupar boa parte das preocupações. 

As dúvidas mais frequentes que recebo é sobre o mercado laboral, as pessoas querem saber se vão conseguir uma oportunidade e se receberão o suficiente para viver bem.

Não tenho como prever se será fácil, rápido ou quanto determinada pessoa poderá ganhar, muitas vezes tento ajudar contando como foi que aconteceu comigo.

E levando em conta minha experiência, cheguei a dizer que a média de salário era entre 10 e 14 mil pesos - valor líquido - para cargos administrativos simples.

Encontrei essa matéria corroborando o que vinha afirmando: metade dos trabalhadores no Uruguay recebem menos de 14 mil pesos!

É bem verdade que alguns dirão que os dados não refletem empregos com formação superior, e isso é totalmente certo, mas das entrevistas que consegui ser selecionada, todas ofereceram essa média salarial mais algum benefício como ticket alimentação ou uma parte referente ao transporte.

Ora, eu tenho titulo universitário e técnico, não obstante, minha realidade era essa aí da pesquisa. 

E é preciso muito jogo de cintura para tocar a vida sozinho com esse salário no bolso.

Quando as pessoas me dizem "ah, mas aí é mais barato que o Brasil", eu só consigo pensar que se você vem a passeio, provavelmente não sentirá o peso do que é ganhar em pesos (trocadilho horrível, mas não resisti rs).

Já passei links para consultas de preços de imóveis e serviços, mas me pedem posts com números, então vamos lá: um monoambiente (apartamento bem pequeno) geralmente custa a partir de 6 mil pesos, somado a isso há o condomínio (o valor depende da estrutura do edifício, mas diria que cobra-se a partir de 500 pesos), impostos (semelhante ao que pagamos de IPTU), energia elétrica e internet (o plano mais barato - limitado a 5 GB - sai por  288 pesos). 

E o salário tem que render ainda para alimentação (segundo estatísticas do governo, uma cesta básica custa 3.145 pesos), vestuário, transporte (22 pesos a tarifa de ônibus) e lazer, né?

Custo de Vida no Uruguai

Outro ponto que acho interessante esclarecer é sobre o processo para alugar um apartamento. 

Conheço pessoas que alugaram direto com o proprietário ou tinha um amigo do amigo que indicou e tal, mas se você não contar com essa sorte, o mais comum é pedirem uma garantia para fechar o contrato.

As mais usadas são as seguintes: garantia do BHU (o inquilino faz um depósito correspondente a X aluguéis - geralmente 5 ou 6 meses - e no final do contrato essa quantia é devolvida com correção monetária); garantia do ANDA (tem que associar-se e pagar cotas) e outra que funciona para empregados públicos.

Alugamos nosso apartamento com uma imobiliária e tivemos que depositar o correspondente a 5 meses de aluguel. Uma graninha boa que não pudemos tocar por 2 anos (tempo que durou o contrato).

Nas minhas andanças, conheci basicamente três perfis de brasileiros vivendo no Uruguay: os que foram estudar, as chicas que foram por amor e os que foram em busca de novas oportunidades, mudança de ares.

Devo dizer que nunca conheci ninguém realmente insatisfeito com a vida que levava no país, sabe aquela história que já falei das vantagens superarem as desvantagens? 

Pois bem, vez ou outra alguém confessava um certo incomodo com a vida profissional e acho que essa inquietação é totalmente proporcional às expectativas/perspectivas que cada um tem para seu futuro.

Convivi com muita gente que ganhava seus 10 - 14 mil pesos e levava a vida sem drama. 

Eu buscava viver sem mimimi, focando no lado positivo porque acho que é a melhor forma de passar por esse mundo.

Mas tive meus momentos de frustraçãosaí de Salvador tendo uma estrutura com tudo a meu favor e chegando em Montevideo parecia que nada funcionava, só era considerada para trabalhar em call center e não haveria problema se eu estivesse com planos de passar apenas uma temporada, estudar ou curtir uma fase na cidade.

Não era o caso, queria mesmo era construir minha vida no país e viver trabalhando em call center sem chances reais de crescimento profissional, definitivamente não era o que esperava, não era o que me fazia feliz.

Nesses momentos contar com o apoio emocional e ter uma reserva financeira foi essencial, pois só consegui um emprego que me deixava satisfeita depois de 1 ano e 4 meses de muitos currículos enviados e esperança no coração rs.

E quando lembro disso acabo virando a chata que diz que é necessário planejar com cuidado a mudança de país, pois a pessoa pode chegar com a cara e a coragem e dar tudo certo, mas também há o risco de ir no impulso e essa experiência que tem tudo para ser incrível, se tornar algo traumático.

Há rumores que o mercado atualmente está mais aberto a estrangeiros. Precisaria correr atrás de trabalho novamente para confirmar se de fato o mercado está mais suave... isso acontecerá em breve e voltarei aqui com a Parte 4 desse post rs! ;)

P.S: estou com um projeto de fazer 'entrevistas' (um bate-papo digitado) com 3 ou 5 brasileiros que vivem no Uruguay para vocês conhecerem outras histórias e outros pontos de vista. 
A ideia é um post por pessoa e as perguntas seriam as mesmas para cada um, acho que fica mais uniforme e consigo explorar os mesmos temas com todos. O que vocês acham dessa ideia?

Abraço! ;)


*    Clicando nas palavras sublinhadas abrem links para mais informações.
*Para quem fica em dúvida se os anúncios estão em pesos uruguaios ou dólares americanos: $u = pesos / U$S = dólar.

89

Uruguai no Globo Repórter

Finalmente consegui assistir todo o programa sobre o Uruguay que passou na última sexta-feira e já posso dar meus pitacos rs.

O especial do Globo Repórter falou muitas verdades, mostrou lindas imagens, mas também foi notório que não houve nenhuma observação crítica do cotidiano real, o que me deixou com a sensação de estar assistindo um programa de turismo ou lendo algum folheto de agência de viagens.

Tudo certo se levarmos em conta que o programa é entretenimento, ocorre que muita gente viu a descrição do paraíso ali tão ao alcance e naturalmente começou a fazer comparações e até planos de mudança.

Aprendi a querer o Uruguay como minha casa e a ideia do blog surgiu para compartilhar com outras pessoas as coisas maravilhosas que vou descobrindo nesse país incrível, mas é preciso ter senso crítico e entender que há muitas realidades diferentes e problemas também.

O país tem tudo aquilo que passou na tv e que costumo comentar: paisagens fantásticas,  o céu celeste encantador, um clima mais devagar, o velho e o novo convivendo em harmonia, boa comida, excelentes vinhos, pessoas amáveis, etc.

E há problemas que preocupam as pessoas que vivem lá, óbvio. 

Talvez quando comparamos certas estatísticas com a realidade brasileira, parece pouca coisa, mas estamos falando de um país com pouco mais de 3 milhões de habitantes e posso citar que os impostos são altos, o custo de vida definitivamente não é baixo, a segurança pública e a carência na educação são temas recorrentes nos jornais (sim, o projeto dos computadores para as crianças é ótimo, mas é necessário trabalhar outros fatores para elevar a qualidade da educação).

Enfim... no meu ponto de vista as vantagens superam as desvantagens e guardo as coisas boas da vida no paisito, mas não posso falar que foi fácil conseguir me estabelecer lá.

Para quem vai viajar o programa foi uma mão na roda, passou vários lugares interessantes para conhecer, curiosidades da cultura, etc.

Já para quem está com planos de mudança, recomendo pesquisar mais antes de ir, há muita informação disponível na internet. Os jornais locais (EL Pais, EL Observador, La Diaria, etc) são boas ferramentas de busca.

Deixo aqui uma matéria produzida pela tv uruguaia que mostrou uma perspectiva mais real de estrangeiros que optaram viver em Montevideo:


Nesse outro link há um programa chamado 'Españoles por el mundo' e esse episódio mostra a história de espanhóis vivendo no Uruguay.

Para terminar o post, preciso dizer que a mulher tinha toda razão quando afirmou que o doce de leite uruguaio era o melhor do mundo rs! 

P.S.: depois do programa o número de visitas aumentou muito e não estou dando conta de responder todos os e-mails e comentários com a rapidez que gostaria, mas aos poucos vou respondendo...

Abraços! ;)

13

Convite

Acabei de criar um perfil do blog lá no facebook, me sentindo tão moderna rs!

E quero convidá-los a acompanhar as novidades nesse espaço também, tem um link de acesso logo ali na barra lateral.

Me empolguei com essa história de arrumar o blog e sobrou até para o endereço da página que agora é 'viveruruguay.com', aí acabei criando uma conta de e-mail especial porque andava mesmo perdida com o que era mensagem do blog, da família, corrente e propaganda na caixa de entrada da conta pessoal.

O e-mail novo é contato@viveruruguay.com

O que mais gostei de ter a fan page foi a possibilidade de ver a carinha de quem passa por aqui! ;)

Abraço!

4

Bosque de Ombúes

Preciso confessar que gosto de ser a turista da família charrua, mesmo depois de 2 anos vivendo no paisito, sempre aparece alguém com uma história ou curiosidade para contar, com alguma comida diferente para provar ou com dicas de algum lugar para visitar.

Foi num bate-papo de verão que me contaram sobre o Bosque de Ombues e claro, fiquei curiosa para conhecer. 

O ombú geralmente cresce isolado nas planícies dos pampas e é uma planta que tem uma relação muito forte com a cultura gaúcha do país. 

No Uruguay, por razões ainda pouco esclarecidas pela ciência, é possível encontrá-los agrupados formando impressionantes bosques em regiões distintas.

Um agrupamento está no departamento de Rocha e o outro - um pouco menor - no departamento de Minas.

Conheci o Bosque de Ombues que fica no departamento de Rocha, lá pertinho de La Paloma. 

A visita é bem interessante e começa com um passeio de barco pelo Arroyo de Valizas, um rio com pequenas casinhas de pescadores e uma calmaria que só é quebrada pelo canto dos pássaros e ruído do motor.


Desde o barco já podemos ver algumas aves nativas, vacas e ovelhas pastando nas margens do canal, as vezes até esqueciamos que a praia estava do outro lado!



A viagem de barco é curta, cerca de 15 minutos e chegamos no Rincón de los Olivera (a família é dona dessas terras desde o ano de 1793), é desse lugar que iniciamos a caminhada pelo bosque.

A caminhada é leve e plana, e como os ombues são conhecidos pela sombra generosa que oferecem, mesmo nos dias quentes de verão o passeio é agradável.

Não é exagero dizer que o guia conhece cada árvore do bosque, aliás nesse ponto há toda uma controvérsia para definir se o ombú é uma árvore ou um arbusto.

A primeira vista tive certeza que estava diante de árvores: os troncos são largos, a altura pode chegar a 15 metros e algumas tem 500 anos de idade (!!!), mas a medida que ele ia explicando mais detalhes, como por exemplo que o caule do ombú contém muita água e não forma uma madeira firme como estamos habituados a ver, forma um tecido esponjoso que não queima, já não sabia o que pensar. 





No final a definição é o que menos importa, você se deixa levar pela beleza de estar cercada pela natureza e se diverte com as formas, espaços e tamanhos das inúmeras plantas.

Depois de ouvir muitas histórias, voltamos para pegar o barco e cruzar para o outro lado do rio onde fica uma reserva, lá a propriedade é estatal e a visita é guiada por um guarda-parque, nessa parte além da diversidade de árvores, há mirantes para observação de aves. 


Muita gente acredita ainda que o ombú guarda poderes misticos e estar em contato com estas plantas seculares pode provocar sensações raras.

Acreditando ou não nessa energia, o passeio é bem gostoso e vale para todas as idades, no nosso grupo tinha criança, adulto, idoso, casal, família... e na volta todo mundo parecia satisfeito com a experiência.


Abraço! ;)


Mais informações:

Pegamos o barco na Ruta 10, Km 267 entre La Paloma e Aguas Dulces (é fácil identificar o lugar pelo rio, cais e casinhas. Chegando lá é só procurar a agência da família Olivera, é a única disponível).

O passeio custou uns 250 pesos uruguaios por pessoa e enviei um e-mail perguntando se houve alteração de preço, acredito que não, mas se for o caso, assim que receber uma resposta atualizo o post.

P.S.: antes de ir tinha lido na internet que o passeio incluía chorizos e empanadas, quando perguntei ao carinha, ele disse "no, no crea en estas cosas de internet" rs. Encontrei empanadas no Rincón, mas eram pagas a parte.

8

Programação infantil em Montevidéu no mês de julho

De vez em quando aparece alguém pedindo dicas de passeios para fazer com crianças e costumo ficar um pouco perdida  porque infelizmente não tenho muito conhecimento sobre as atividades infantis em Montevideo.

Lendo os jornais nessa semana, encontrei uma série de artigos dedicados às férias escolares do mês de julho que prometem dar uma ajudinha aos pais que já estão sem saber como entreter a criançada em casa nesse período sem aulas.

Na hora pensei que precisava compartilhar aqui algumas das dicas que foram dadas rs.

Há várias atividades recreativas, muitas patrocinadas pela prefeitura da cidade, e o que mais me chamou atenção foi a quantidade de teatros apresentando peças infantis.

Ainda não tenho filhos, mas se tem um programa que penso em fazer é levar a prole ao teatro rs,  acho o máximo, é lúdico, interativo e emocionante. 

A oferta para esse mês é grande e ficaria muito extenso transcrever a sinopse de cada peça, então deixo o link do que está em cartaz.

Outro evento interessante é o que ocorre no Planetário, lá está acontecendo a exposição Ciência Viva que busca popularizar o conhecimento cientifico e também há apresentações teatrais. A entrada é gratuita.

Ainda na temática de aproximar as crianças do universo cientifico, há oficinas de robótica e análise sensorial em vários pontos de Montevideo: na biblioteca Felisberto Hernandez, Jardin Botanico, Centro de Exposiciones SUBTE, etc.

Também parece interessante a viagem de trem a vapor ao bairro Peñarol, a proposta é passear nos vagões antigos - devidamente restaurados, claro - e conhecer a estação que oferece uma visita guiada pela área patrimonial do bairro, passando pelo museu da Estação de Trens, as oficinas, as casas dos oficiais e funcionários que levantaram as linhas de ferro há pouco mais de 100 anos atrás.

Os trens partem às 15h da Nueva Terminal (Calle Paraguay y Nicaragua) e os ingressos custam 200 pesos uruguaios. Mais informações aqui.


Como não poderia deixar de ser, há atividades para os niños nos seguintes museus: Museo Fernando García, Museo de Arte Precolombino e Indígena, Museo de Historia del Arte e Museo Larrañaga.

Também conta com programação especial o Jardín Botánico que abre as portas do invernáculo para visitas guiadas por especialistas em botânica e o Castillo Pittamiglio que apresenta shows de ilusionismo e mágica.

O Parque Rodó já é um cantinho onde os pequenos se divertem todos os dias, mas agora em julho tem ainda mais opções de lazer na área do parque.

Ah, em Montevideo existem 3 bibliotecas especializadas no público infantil: a sala do MEC no bairro Goes, a biblioteca María Stagnero de Munar no castelo do Parque Rodó e a biblioteca José H. Figueira na Ciudad Vieja. 

Faz bem incentivar a leitura desde cedo, eu até hoje lembro de quando ia à biblioteca fazer minhas pesquisas nos livros, sem a preguiça rapidez dos tempos modernos de Google...

Quem quiser conferir a programação completa, dá uma olhada no site da prefeitura.

Abraço e boa diversão! ;)

15

Tomadas no Uruguai

Ontem estava respondendo os comentários e encontrei essa dúvida: como são as tomadas no Uruguay? Tenho que buscar um adaptador para carregar o celular/câmera/notebook/etc?

Achei que seria útil compartilhar a informação com todos os viajantes.

As tomadas no Uruguay geralmente são daquelas de três furinhos ou três barrinhas... ok, melhor  passar para as fotos rs!




Há ainda esses outros 2 modelos, mas não são os mais comuns:



A corrente elétrica é de 220v e a frequência de 50 Hz.

Vocês podem encontrar adaptadores em qualquer supermercado, mas acredito que a maioria dos hotéis devem ter disponíveis para os hóspedes.

Ah, tipo de tomada em espanhol é tipo de enchufe e adaptador é adaptador mesmo.

Abraço! ;)

3