Enoturismo em Carmelo: El Legado Bodega Boutique

Tradição familiar, paixão por vinhos, uma bodega boutique, um sonho feito realidade.

Poderia começar destacando a qualidade dos vinhos ou o charme do lugar, mas não seria justo com o enredo dessa história que começou muitos anos antes: Bernado Marzuca cresceu no campo, seu pai era apaixonado por vinhos, tinha terras e vinhedos na região de Carmelo. 

Nos anos 80 os negócios da família nao iam nada bem e eles tiveram que arrendar essas terras a uma grande vinícola da cidade. Foi só em 2005 que Bernado tomou o controle de parte dessas terras e iniciou, junto com sua esposa María Marta Barberis e filhos, o projeto de fazer vinhos, em memória ao pai, chamou a vinicola de El Legado (o legado, em português).

Plantaram uvas tannat e posteriormente syrah, a primeira colheita ocorreu em 2011 e originou mil garrafas. Todo o processo foi feito de forma artesanal entre amigos e família. 

Os vinhos agradaram críticos e consumidores, nos anos seguintes a produção passou a 3 mil garrafas. Mas se engana quem pensa que o casal Marzuca Barberis espera seguir multiplicando exponencialmente esses números, eles esperam a médio prazo produzir cerca de 10 mil garrafas por ano, mais do que isso acreditam que seria inviável manter as características do projeto como é hoje, uma bodega boutique onde cada etapa passa pelas mãos e olhos atentos da família. 

É visível a dedicação e amor que há em cada detalhe: desde a restauração da antiga casa instalada na propriedade - registrada em fotos para os visitantes - que se transformou num espaço super agradável e acolhedor, passando pelo cuidado em elaborar bons vinhos, experimentar técnicas novas nos vinhedos, terminando com um atendimento personalizado e simpático aos turistas.

Enoturismo em Colonia

Enoturismo em Carmelo

As visitas guiadas incluem passeio pelos vinhedos e sala de barricas, além da degustação de vinhos acompanhada de tábua de queijos e frios. No momento, a degustação conta com 2 rótulos, um tannat reserva e um syrah reserva que são um prazer para os sentidos.

Vinicola em Colonia
Vinícola em Carmelo
Bodega Boutique El Legado em Carmelo
Bodega Boutique El Legado em Carmelo

Na nossa visita encontramos uma pequena e elegante bodega e pessoas apaixonadas pelo que fazem, tem coisa melhor do que ser recebido por gente que trabalha feliz? Era domingo, não tinhamos reservas, já era um pouco tarde, mas resolvemos arriscar e foi maravilhoso! 

Bodega Boutique El Legado em Carmelo

Bodega Boutique El Legado em Carmelo

Bodega Boutique El Legado em Carmelo

Não façam o mesmo que nós fizemos de aparecer sem avisar rs, façam a reserva antes de baterem na porta para garantir que os donos estarão lá para recebê-los. O lugar é tao gostoso que não dá para pensar em deixar Carmelo sem ter conhecido.

O Uruguai é ou nao é uma caixinha de surpresas? Vamos espalhar para todo mundo que dá para fazer enoturismo também no departamento de Colonia? 

Boa viagem e boas descobertas! Salud! ;)

9

Sobre morar fora, sobre morar no Uruguai

Há mais de um ano tenho esse texto guardado. Há mais de um ano fico em cima do muro sobre publicá-lo ou não.

Primeiro porque acho muito difícil encontrar o equilíbrio justo para descrever minha experiência morando em Montevidéu de um jeito que seja útil para outras pessoas. 


É mais fácil - e gostoso - contar sobre o restaurante divino que conheci no fim de semana.


Já reclamaram que eu falo desses assuntos da vida no Uruguai (emprego, moradia, custo de vida) sem uma pesquisa que respalde meus argumentos e isso não está certo. Risos. 


Não me leve tão a sério, não quero tomar o lugar do Ibope ou Datafolha. O blog é modesto desde sempre: Uruguai por uma brasileira, é só minha opinião sem a pretensão de ser a única verdade, tá? 


Segundo porque os textos ficam imensos e pouca gente tem paciência de ler, é tanto tempo tentando colocar os sentimentos no papel, no final a maioria das pessoas esperam que eu diga se elas podem viver aqui ganhando X, quanto custa um apartamento '''bom''' em reais e se elas vão demorar para conseguir emprego. 


E só posso indicar sites para pesquisarem e contar como foi comigo, mas tem gente que acha pouco, acha ruim, fica com preguiça. 


Depois tem as dúvidas sobre documentação, tirei meus documentos uruguaios faz tempo e não acompanho as normativas e decretos para saber o que mudou ou não no processo.  


Essas informações encontramos nos sites oficiais, os documentos que precisam apresentar para solicitar a residência estão bonitinhos detalhados nos sites da DNM e Consulado Brasileiro, se a sua situação não está abarcada nos textos eu não faço a mínima ideia como resolvê-la, de verdade. 

Observo que muita gente tem o Uruguai como válvula de escape, os e-mails que recebo em grande parte seguem a linha do 'cansei do Brasil e quero viver num lugar sem corrupção, violência, onde meus direitos sejam reconhecidos e o ser humano seja valorizado, etc e tal'.


Algumas pessoas imaginam realidades nórdicas, aliás muita gente queria ir para um lugar decente - nas entrelinhas Europa - mas o Uruguai está aqui do lado, sabe como é, mais fácil.


Talvez embalados pelas declarações do ex-presidente Mujica e/ou dados que apontam os melhores índices sociais da região, o Uruguai acaba sendo uma opção viável para o sonho de mudança e uma vida melhor, com menos impostos e mais segurança.


É preciso calma e bom senso para avaliar essas informações. Eu amo esse país, mas negar que existem problemas seria no mínimo estupidez.

Me preocupo quando vejo famílias inteiras querendo passar por uma mudança sem realmente pesar as consequências, porque ver pessoas tirando um ano sabático ou buscando uma experiência diferente por um período de tempo determinado é muito animador, mas ver famílias inteiras rompendo laços para tentar a vida numa terra dos sonhos sem a menor estrutura, são outros quinhentos, pelo menos na minha cabeça.

A vida no Uruguai é dificil para quem chega com um CV, a cara e a coragem. 


Conseguir trabalho na própria área de atuação é tarefa árdua (salvo na área de TI). Não importa se você tem mestrado, doutorado, fala 11 idiomas e tem experiência. É difícil e ponto. Claro que quanto mais conhecimentos tiver, melhores oportunidades você terá, mas ainda assim romper a barreira do QI e da desconfiança dos recrutadores leva tempo e requer sorte.


Sobre o QI, vulgo quem indica, em empresas que trabalhei, os funcionários recebiam um mimo de mil doletas por indicação que resultasse em contratação (não para os cargos básicos de administração, mas na área de TI, por exemplo). Nao sei você, mas por mil doletas eu andaria com o CV dos coleguinhas na bolsa, só pela dúvida, vai que abre vaga, né?


Até nesses trabalhos meia boca do mercado português a indicação era a chave para entrevista. Várias vezes o pessoal do RH me pedia indicação, eu perguntava as amigas e era unânime a resposta: mas Jami, já enviei meu CV para o e-mail que saiu no jornal/site e nunca me ligaram. Depois que imprimia o CV e entregava a recrutadora, as meninas eram chamadas para entrevista no mesmo dia. O mesmo CV, a mesma vaga, caminhos diferentes.

O custo de vida eu continuo achando altíssimo e muita gente quer comparar com o Brasil, acho que só faz sentido comparar se você vier com uma renda fixa, se for trabalhar aqui, avalie os custos com base nos salários oferecidos no Uruguai.

Eu mudei em 2011 e até hoje os empregos do mercado português pagam mais ou menos a mesma coisa, em média 16 mil pesos líquidos. Para a vida que eu levava no Brasil depois de formada e esperava manter no Uruguai, esse valor não pagaria nem meu aluguel. Para a vida que eu levava como intercambista no exterior dividindo apartamento sem muitas exigências com outros estudantes, esse valor estaria razoável. 

Em diferentes fases da vida teria um parâmetro diferente, imagina estabelecer isso para outras pessoas que eu não conheço. Não é má vontade quando perguntam com quanto se 'vive bem' e eu respondo depende.

Hoje eu diria que para um casal viver confortavelmente (dentro do que eu subjetivamente entendo como confortável), teria que conseguir uma renda mínima de 60 mil pesos. Pode parecer tranquilo cada um conseguir um emprego que pague 30 mil pesos líquidos, mas sendo recém-chegado, sem contatos e com espanhol mais ou menos é complicado (para ser sincera, até hoje não dei essa sorte e já teria arrumado minha trouxinha se não tivesse uma renda no Brasil que banca parte dos meus gastos).

Aliás, sobre o espanhol não poucas vezes me perguntaram se é mesmo importante. Oi? Você já imaginou se conseguiria desenvolver o seu trabalho atual se não falasse português ou se entendesse bem, mas falasse mais ou menos? Se você achar que poderia desenvolver essa mesma atividade sem poder comunicar-se, talvez você consiga um trabalho similar sem falar espanhol.

Quando me perguntam o que eu acho de tentar a vida aqui, eu acho que depende de muitos fatores. Não é a mesma coisa chegar com uma reserva financeira (óbvio que encontrará mil portas abertas para empreender, alugar, comprar, contratar serviços, etc) e chegar com a grana contada precisando arrumar emprego em 30 dias. 

Outra coisa que me chama atenção é essa ideia que os brasileiros têm do Uruguai ser a Amsterdam das Américas, algo que eu, particularmente, não vejo acontecer. Pode fumar maconha na rua, na chuva, na fazenda? Pode! Mas não sinto que a sociedade -  o senso comum - é toda super pra frentex, mega evoluída, pererê e parará. Acho, inclusive, que o uruguaio é em muitos aspectos bastante conservador.

Quando cheguei em Montevidéu não entendia porque eles - os uruguaios - reclamavam de tanta coisa. 

Ah, essa gente não sabe o que é problema de verdade. Pensei muitas vezes.

Mas ó: sabe, sim! E só vivendo aqui para perceber essas nuances, sacar a malandragem, se virar na vida ganhando em pesos.

Voltei a viver no Uruguai depois de um ano morando na Irlanda. Na primeira semana de volta: 

- Levei um banho da imigração para pegar a cedula, horas e horas em filas (e grávida, prioridade mandou um beijo), pingando de um lugar a outro e sempre aparecendo um documento que eu não tinha e era necessário, mas que ninguém avisava antes; 

- As idas aos supermercados cheias de surpresas, consumir muitos itens parece coisa de rico. Não acho justo, por exemplo, que produtos exportados daqui sejam mais baratos lá na Irlanda ou no Brasil; 

- Fico indignada quando lembro que deixaram o vidro do carro em pedacinhos (é, tentaram roubar) apenas no tempo que fui a uma consulta médica e voltei.

Podia ter sido no Brasil, mas aconteceu no Uruguai.

Como não estou aqui para ficar chorando as pitangas, a primeira semana teve também encontro com pessoas especiais e que estavamos morrendo de saudades, teve churrasco e doce de leite, teve passeio na rambla sob um calor de 40 graus, teve por do sol de cinema,  teve conquista de emprego novo, teve sorrisos e amor.

Podia ter sido no Brasil, mas aconteceu no Uruguai.

E toda essa conversa por quê, Jamile? Porque eu já recebi centenas de mensagens de pessoas que se dizem cansadas do Brasil, cansadas de pagarem impostos e não verem retorno, cansadas da Dilma e do PT, cansadas de serem desrespeitadas e que imaginam que aqui do outro lado da fronteira esses problemas irão terminar como mágica.


E não é bem assim! Aqui é maravilhoso, mas não posso fechar os olhos para a existência de corrupção, criminalidade e o fato da gente também pagar uma grana em impostos e também precisar pagar assistência médica privada, seguro de carro, escola das criancas, etc. 


Toda essa conversa para dizer que nem sempre a grama do vizinho é mais verde como parece. Para dizer que é preciso separar o que é notícia pop e o que é realidade, entender que uma coisa é ser turista e outra morador.


Morar fora envolve sentimentos que pesam mais do que apenas números. Já morei em lugares onde as oportunidades a longo prazo eram maiores, onde ganhavamos mais dinheiro, viajavamos mais, consumiamos mais, havia mais segurança, o Estado se fazia mais presente e todo esse cenário divino não foi suficiente para nos fazer permanecer por muito tempo.

Tenho total convicção que não foi o índice de IDH ou PIB per capita que me fizeram adotar o Uruguai como casa. 

Morar em Montevidéu

Por fim, mudar de país não é como mudar de bairro. É uma mudança que mexe muito com a gente e para bancar essa montanha russa de emoções é preciso ter estrutura - emocional e financeira. 

É outro país, outro idioma, outro clima, outra cultura, outros hábitos (válido também para quem vem do Sul do Brasil, não dá para pensar que é a mesma coisa porque se toma mate e faz frio no inverno! Acredite, eu sou muito mais parecida as amigas gaúchas do que as uruguaias, 
estou falando em termos de background, obviamente). 

Levar isso em conta é também um sinal de respeito a história do novo lugar.


E chegando aqui cada pessoa leva seu próprio tempo para encontrar um espaço nesse mundinho. Para alguns é mais rápido e fácil, para outros nem tanto, como tudo na vida.


Infelizmente não consigo responder todo mundo, mas os sites estão aí para pesquisa: 


Alguns dados para ajudar nas pesquisas: Os preços de imóveis para a venda estão sempre em dólares americanos, a economia uruguaia funciona assim, não é porque você é estrangeiro e estão sendo espertos. 

Então um apartamento não custa 300 mil pesos ou a bagatela de mais ou menos 30 mil reais como me perguntam t-o-d-o  dia, esse precinho aí está em dólares, são 300 mil dólares, ou  bons 900 mil reais.

O dólar está disparando e não vejo nenhum reajuste de preços no mercado. Quem fez financiamento senta e chora, mala suerte.


Aluguel pode estar em dolares ou pesos, para não ter mais erro: u$ quer dizer pesos uruguaios e U$$ dólares. Gastos comunes seria o equivalente a condomínio. É comum não ter garagem incluída, há muitos estacionamentos em todos os bairros (paga-se mensalidades de cerca de 2 mil pesos para o carro não dormir na rua).

Para alugar apartamento você não vai precisar da figura do fiador, mas precisará apresentar garantias (comentei a respeito nesse post). E dói o bolso. Se alugar com imobiliária, precisará pagar ainda a comissão. Sim, o inquilino paga comissão no valor do aluguel aqui.

Um real no cambio sofrido de hoje vale 7,90. Se não quiserem usar um conversor de moedas online, usem uma calculadora. É chato o dia todo receber mensagem 'quanto é isso em reais?'.


Espero ter ajudado e colocado alguns pontos na balança, minha mensagem não é fazer ninguém desistir ou focar nas dificuldades (o que mais faço aqui é mostrar as coisas lindas que esse país oferece), ponderei com franqueza o que gostaria de saber antes de migrar. 

E aos que já chegaram ou estão arrumando as malas, desejo um caminho cheio de aprendizado e felicidade. Quem sabe nos encontramos por aí!?

Quem conseguiu ler todo o texto, obrigada pela paciência rs! Sorte e positividade! :)

82

Aniversário do Blog (e vídeo do bolo)

Março foi o mês do aniversário do blog e eu fiquei super feliz comemorando nosso terceiro ano de vida.

Acho que nem no meu pensamento mais otimista, imaginei que o blog um dia teria o alcance que tem hoje e que seria uma peça tão importante nessa minha caminhada vivendo longe de casa.

Já falei em outra oportunidade que me sinto realmente privilegiada por poder receber diariamente mensagens de apoio e carinho de tanta gente. 

Não tem preço a sensação quando alguém faz um comentário bacana, me diz que curtiu a viagem indo em algum lugar que indiquei, me manda foto,  faz sugestão, fala que mata as saudades do Uruguai lendo os textos, etc. 

É muito gostosa essa relação de troca e muitas vezes foi compartilhando minhas experiências, mostrando as coisas que ia descobrindo nesse lugar que adotei como lar que eu fui driblando a saudade e os dias mais cinzas.

Então vejo o blog como um parceirão, sabem? 

Esse ano queria fazer bolo com velinha, post, sorteio, etc e tal. Mas março acabou e não consegui planejar nada, a rotina anda bem puxada em casa.

Quando comentei do aniversário na nossa página do Facebook e que não tinha rolado bolo, recebi na mesma hora uma mensagem da Luisa dizendo que tinha que ter bolo sim, senhora rs! E um convite para ir na casa dela.

Além de ser uma querida, a Lu cozinha lindamente, é brasileira e mora em Montevidéu desde o ano passado, uma amiga que o blog me deu, tem como não amar isso aqui, gente? 

No dia combinado, cheguei atrasada com a pequena e nosso bolo ficou prontinho depois de uma tarde inteira de muita conversa e risadas. 

Viver Uruguai

Ela também escreve um blog - com várias receitas maravilhosas - e o bolo de 3 anos do blog entrou na lista de posts, tem até vídeo com participação minha e da bebê (que está numa fase bem grudinho e queria ficar no meu colo rs). 

O bolo ficou di-vi-no (mil gracias, Lu), recomendo muito tentarem em casa! E aqui está o link do vídeo.

Viver Uruguai

Viver Uruguai

Espero que gostem, foi tudo feito com muito carinho e eu morri de vergonha de gravar. 3 anos de blog e foi a primeira vez que deixei o teclado de lado para falar rs.

Muitíssimo obrigada a todos vocês que dedicam um tempinho para acompanhar o Viver Uruguay! :)


3

3 cafés para conhecer em Pocitos

Meses atrás escrevi um post com dicas de cafés em Punta Carretas e fiquei devendo uma lista semelhante com opções no vizinho bairro Pocitos.

Há outro post ainda mais antigo com dicas de clássicos do bairro como o Cakes Café e Doña Inés.

A seleção de hoje conta com 3 cafés mais recentes, pequeninos e com muita coisa boa para deixar as tardes mais doces e alegres.


1- Contento Café - Rua Gabriel Pereira, número 3260

Simpatia peruana a metros da rambla, um ambiente simples, mas super agradável. O atendimento dos mais amáveis da cidade, mãe e filha trabalhando juntas. Porções generosas para sair de lá contente, de verdade. 

Recomendo o té para dos que é super completo e custa 400 pesos (vem uma tábua de frios e queijos da região de Colônia, pães caseiros deliciosos, bolos simples - que aqui chamam budín  - tortas, chá e suco. É tanta coisa que nunca damos conta e pedimos para levar para viagem).

Cafés em Montevidéu


2- Pecana

Update: fecharam agora no final de maio o Pecana de Pocitos, concentraram todas as atividades na casa nova de Punta Carretas.

Passei um dia dirigindo e achei uma graça, bati o olho no quadro que dizia 'torta oreo com recheio de doce de leite': gente, parei na hora para conhecer! 

O local é no estilo take away, para comprar e levar, tanto doces como comida para o almoço, e o preço bem camarada.

Cafés em Montevidéu

Nesse mês inauguraram um novo Pecana (na rua Maeso, número 2778, Punta Carretas), agora como um café mesmo, com mesas e cadeiras para comer tranquilo, preciso ir ver de perto, pelas fotos que publicaram, ficou tudo muito bonito.

*Foto Facebook (perdi todas minhas fotos antigas do celular).


3- Petite Patisserie de Flor - Rua Chucarro, número 1191

Aberto há mais de 3 anos, devo ter passado milhares de vezes pela porta, mas não sei em qual mundo andava porque só fui prestar atenção no local no mês passado. 

O café é pequeno, a decoração é fofa e tem mesinhas na calçada.

Cafés em Montevidéu


***

Acho que já posso falar que meu hobby é comer conhecer cafés rs, mas quem não fica mais feliz depois de um pedaço de bolo, né? Montevidéu está cheia de cafés para nos encantar!

E logo mais terá novidade no bairro, uma casa de chá de uma família brasileira que mudou pra cá no início do ano e está preparando tudo no maior capricho.

Outra opção em Pocitos para quem é chocólatra assumido é a chocolateria Cho, também fica bem pertinho da rambla e pode servir para levar de lembrança da viagem ao Uruguai, aquela dobradinha infalível de doce de leite e chocolate, sabem?


P.S: Fico falando de Pocitos e Punta Carretas, mas confesso que até hoje tenho uma dificuldade para definir onde começa e termina cada um! Não inclui o La Dulcería na lista de Punta Carretas porque estava crente que ia entrar na lista de Pocitos, minutos antes de publicar o post, percebi que pelo nome da rua já era no outro bairro, mas fica a dica.

Abraço! :)
1

Almacén de la Capilla: vinhos e encantos de Carmelo

Fizemos o check-in na Pousada CampoTinto e uma das primeiras recomendações que nos deram foi visitar o Almacén de la Capilla, onde os hóspedes eram recebidos com uma taça de bienvenida.

Eu não tinha muita ideia do que encontraria, mas atiçados pela curiosidade, no dia seguinte fomos caminhando pelas ruas de terra até o armazém.

Um finalzinho de manhã, céu azul e calor, tranquilidade, cordialidade de gente do campo que te cumprimenta com um gesto de cabeça sem nunca ter te visto na vida, uma igrejinha e um casarão antigo (que faz referência a ela, capilla em espanhol quer dizer capela).

Turismo Carmelo Uruguai

Turismo Carmelo Uruguai Almacen de la Capilla

Turismo Carmelo Uruguai

Cruzar a porta foi como fazer uma viagem no tempo. Incrível como aquele lugar estava ali aparentemente no meio do nada e cheio de brilho, vida e coisas interessantes espalhadas em cada canto. 

Entramos e fomos recebidos pelo Diego, nesse primeiro momento estava empolgada demais e disse algo como estou só olhando. Escutei de resposta um vejam tranquilos numa expressão bem típica do interior e pronto, me senti em casa. 

O que fazer Carmelo Uruguai

O que fazer Carmelo Uruguai

Sou fascinada pelo que agora está na moda dizer vintage, fico eufórica quando vejo objetos antigos. E lá estava cheio disso, além dos produtos do armazém que davam vontade de levar todos para casa: vinhos, doce de leite caseiro, azeite de oliva, geléias, grãos, etc.

Sem perceber já estavamos fazendo um tour completo, o Diego já tinha aberto a cava do armazém e estavamos indo em direção aos vinhedos e planta de elaboração dos vinhos Cordano. 

Enoturismo em Carmelo Uruguai

Vinicola Cordano Uruguai

Enoturismo no Uruguai Vinicola Cordano

Conversavamos sobre vinhos, filhos, clima e turismo, conhecia algumas curiosidades da região e da família da sua esposa Ana Paula (que também acompanha os turistas nas visitas), formada por imigrantes italianos que se instalaram em Carmelo e cultivavam uvas, dentre eles o avô do queridíssimo ex-presidente José Mujica Cordano, foi naquelas terras onde ele viveu parte da sua infância.

O local tem história para contar, não é somente um armazém montado e decorado como os de antigamente: o armazém foi fundado em 1855 por Don Antonio Cordano, o casarão foi mantido quase sem alterações em sua estrutura, os vinhedos existem há mais de cem anos e hoje pertence a quinta geração da família. 

Terminamos a visita fazendo a degustação de queijos e vinhos (e doce de leite): uma delícia! Nos surpreendemos com o tannat rose 2013 e garantimos uma garrafa para nossa coleção de vinhos uruguaios, ótima relação de preço e qualidade. 

Turismo Carmelo Uruguai

Turismo Carmelo Uruguai

Cordano Almacen de la Capilla Carmelo

Fomos tão bem recebidos que passamos boas 2 horas batendo papo, comendo e fotografando, não havia pressa da nossa parte para sair dali e ir correndo ver outro ponto turístico nem da parte deles em vender e atender outro cliente, coisa tão rara nos tempos modernos. 

Sem saber já tinhamos um acordo desde que chegamos: nós queriamos ver, eles queriam mostrar e a prosa correu solta.

Uma visita a Carmelo definitivamente merece uma passadinha no Almacén de la Capilla, simpatia e gostosuras à moda uruguaia.

Endereço: Ruta 21 km. 257 - Camino de los Peregrinos e Ana María Carpi de Cordano, Colonia Estrella. Aberto todos os dias das 11h às 20h.

Abraço! :)

3