Patinando ou quase isso!

Preciso dividir esse momento! :P 

Não sei o motivo, mas ultimamente há uma febre de patins aqui em Montevideo, basta caminhar pela rambla para ver várias pessoas praticando essa atividade!

Assim que me mudei pra cá fiquei sabendo da pista de patinação próxima ao Parque Rodo, onde é possível  inclusive alugar patins por hora nos sábados e domingos, mas nunca tinha me animado a ir, na verdade via mais crianças brincando e achava que ia pagar mico no meio delas!

Não que isso seja necessariamente um problema, as vezes gosto de me misturar com os guris lá no parque comendo churros, algodão doce e descendo o morro de papelão, mas com os patins rolava um certo constrangimento rs!

                                                           Ok, podem rir da minha cara! ;)

Agora talvez influenciada por todo esse povo grande pagando mico coletivo na orla da cidade, resolvi comprar um par de patins para chamar de meu, só não esperava que fosse tããããoo difícil: 15 anos atrás era muito mais fácil, gente! 

Só me faz suspirar um "ah, a idade..." rs! 

Sendo uma pessoa com certo juízo, resolvi comprar também o kit proteção (joelheira, cotoveleira e munhequeira), e a julgar pela primeira tentativa de ficar parada em cima desse treco, arriscaria dizer que foi a decisão mais coerente da minha vida rs!

Estranho mesmo é me sentir muito tartaruga ninja com todo esse equipamento, quando essa coisa de patinação/verão tem um clima mais S.O.S Malibu, né? 

E vamos nessa, em breve volto para contar como estou indo! #oremos! 


13

Destino: La Pedrera

Seguindo a programação do feriadão, no dia seguinte fomos a La Pedrera: simples e linda!


Ainda não conhecia, só ouvia falar do famoso carnaval de lá! Tem até um documentário bem interessante falando sobre a origem da festa e a proporção que tomou nos dias de hoje: atualmente nos 2 dias de carnaval o vilarejo recebe mais de 40 mil pessoas num espaço de 5 quadras de ruas estreitas!

O documentário chama-se "O último carnaval" e vale a pena ser visto, o roteiro é bem guiado com imagens e depoimentos de moradores contando a história da festa. 

Eu como baiana que já curtiu alguns carnavais e atualmente se sente constrangida com o apelo da tal "maior festa popular do planeta", me identifiquei com vários pontos expostos.

Não, o carnaval de La Pedrera ainda não é privilégio da burguesia como na capital soteropolitana, mas a banalização da curtição carnavalesca e o consequente afastamento da essência da festa é um sentimento comum em ambos eventos, com as devidas proporções, é claro.

Fica a dica do documentário! Agora volto ao passeio! ;)

Achei La Pedrera uma graça, um clima mais roots, mais chill out! Já cruzando a vila em direção à praia somos surpreendidos com o fim da pista e uma vista maravilhosa para o mar, bem assim:


A praia é linda, tem ondas e surfistas, e te dá vontade de ficar aí pra sempre nesse climão desacelerado.


Já comentei que o pessoal aqui leva o kit praia: cadeira, sombreiro e caixa térmica. Não é comum ver pessoas vendendo comidas ou bebidas nas praias, daí a utilidade de levar a conservadora, tampouco é comum alugarem cadeiras e sombreiros.

Ainda não temos o kit praia, o verão primavera chegou de surpresa, estava frio e de repente fez calor, e eu demoro a me acostumar com essas mudanças, sabem? Fico confusa de verdade rs!

Então o jeito foi passar o dia debaixo do sol, o que também é bem normal para as uruguaias, há uma ideia de "hacer playa" que consiste basicamente em tostar as carnes no sol! :P

O ponto positivo de ir a praia nos balneários daqui é a paz e tranquilidade, dá pra ler um livro e até tirar uma soneca, sem barracas ou carros com músicas de gosto duvidoso na maior altura incomodando.

                                            Leitura uruguaya do fim de semana!

P.S.: estou com o livro do Galeano que eu queria tanto ler em espanhol! Presente especial! ;)

La Paloma e La Pedrera ficam distante apenas 10km uma da outra, estão situadas no departamento de Rocha que fica aproximadamente a 240 km da capital uruguaia.

Há ônibus com saídas diárias - a passagem custa R$32 - e opções de hospedagem para todos os bolsos e gostos: campings, hotéis e hostels.

Para quem quiser ir dirigindo, a rodovia possui 3 pedágios - cada um custa R$5,50 - e a estrada está em ótimo estado. Triste mesmo só o litro da gasolina a R$3,70.

Consultar horários dos ônibus aqui. Post sobre aluguel de carro em Montevideo aqui.

Abraços!

9

Destino: La Paloma

Imaginem a alegria na tarde de uma quarta-feira quando recebi um e-mail totalmente inesperado da minha gerente comunicando que estaria liberada no feriado da sexta-feira.

Só pensava em viajar e aproveitar meus três dias de sol sem trabalho.

                                        Já na estrada, passando por um dos pedágios.

Queria viajar, mas pra onde? 
A primeira opção que escolhemos foi Villa Serrana que nessa altura já estava com as opções de hospedagem esgotadas. 

A segunda opção foi usar a folga de tempo para ir nas praias lá pelas bandas do departamento de Rocha.
                                      
E assim fomos passar o feriado em La Paloma.


Procurando hospedagem de última hora, encontramos um hotel em frente a praia com um precinho bem camarada.

A cota de vergonha alheia do dia ficou com a chica da recepção, liguei para reservar o quarto e ela disparou um pouco reticente: "mirá, tenemos un grupo de brasileros este finde, te cuento por si querés descansar... eehh viste como son, no? Va haber mucho ruido, entonces te aviso por las dudas!", daí respondi "si, claro...soy brasilera!". Cri cri cri na linha rs.

Quando me falaram de um grupo grande de brasileiros imaginei uma excursão de tiozão, aquela coisa mais família, sabem? A surpresa ao chegar no hotel foi encontrar um grupo de 70 jovens de 25/30 anos naquele clima de primeira semana de BBB com direito a abraços e gritinhos de "A-ha U-hu La Paloma é nossa!" e um festão até raiar o dia com um equipamento de som super potente.

Encaramos com bom humor e decidimos ficar lá mesmo no Hotel Portobello a primeira noite, imediatamente fomos convidados para participar da festa. Já era tarde e valia mais curtir o dia na praia do que sair e buscar outro lugar para ficar.

A vantagem desse hotel definitivamente é a localização, dentro da praia praticamente, você sai e já pisa na areia.

E o que dizer da vista? Sensacional acordar e dar de cara com esse mar, ou então ver o entardecer da janela do quarto!



De manhãzinha...

De tarde (área externa do hotel)...

E o show do fim de tarde! ;) 

Não é um hotel novo e isso se faz notar em alguns detalhes, não tem ar condicionado e o café da manhã é muito simples, mas no final cumpriu com o que esperavamos: um lugar para passar a noite perto da praia.

Os balneários estão começando a se preparar para a temporada, muita coisa ainda está sendo preparada, os estabelecimentos estão em reforma e nem tudo estava aberto, apesar do movimento de pessoas já nas praias.

No primeiro dia aproveitamos o  tempo na praia, caminhamos e sentimos a água congelada fria do mar. Mesmo fazendo calor, dessa vez não me animei a entrar! Ficamos na areia tomando sol e lendo, vocês devem imaginar a felicidade de estar assim fazendo nada na praia depois de meses de frio.

Coragem só para molhar os pés rs!

Saindo da praia fomos ao centrinho tomar sorvete, esses programas me levam de volta aos veraneios na Ilha de Itaparica quando criança, uma delicia só! 

O sorvete nem é tão gostoso, mas é um dos programas mais legais em La Paloma ir no fim do dia na sorveteria, faz até fila.


A noite não tinha muita opção, compramos um calzone numa pizzaria/lanchonete do centro e passamos no supermercado para comprar vinho e mais quitutes e armamos um mini piquenique noturno, já tinha até esquecido como é lindo ver o céu cheio de estrelas nesses lugares! Coisas que não temos nas cidades grandes!

Voltando para o hotel, cheguei a passar na festa dos brasileiros e comprar uma cerveja, não tenho mais disposição para balada e por sorte depois do vinho e da cerveja dormi sem dar a menor bola ao barulho. 

No último dia em La Paloma fizemos o check out e fomos visitar o farol, dá para subir e admirar a vista lá do alto, eu dispensei a subida dessa vez e fiquei fotografando e catando conchinha na praia rs! 




Abraços! ;)
17

Onde comer em Piriápolis

Vira e mexe estou falando de comida aqui no blog, não tem jeito!

É que comer bem me deixa numa alegria danada e eu sinto quase uma obrigação gordinha de dividir com todo mundo esses achados.

O restaurante de hoje fica lá em Piriápolis e se chama Trattoria da Piero: tem uma pinta praieira bacana,  fica em frente a praia - vizinho ao Apart Hotel Terrazas de San Francisco - e parece mais caro do que de fato é.

O nome me faz lembrar a Itália e massas, e quando estou na praia preciso comer peixe. Um dia deixei essa história do nome de lado e nos animamos a entrar: o cardápio tem de tudo um pouco.

Como não podia deixar de ser, escolhi peixe, claro.

Meu prato foi "brotola a las finas hierbas" e estava excelente -  brotola é um peixe muito comum na costa uruguaia.

O filé do peixe vem em volta de um purê de batata gratinado e tem um creme de ervas e queijo parmesão:


A escolha do meu namorado foi "pesca del día con salsa salmoriglio y vegetales", o peixe do dia era o linguado. 


Não tinha ideia do que era "salmoriglio" rs, mas é uma delicia, é um condimento da cozinha siciliana - olha a culinária italiana aí também - feito com azeite de oliva, limão e outros ingredientes. 

Os pratos até parecem pequenos, mas não são. E o preço é bom, custa entre 300 e 330 pesos uruguaios ( entre R$30 e R$33). 

No centrinho de Piriápolis tem muito restaurante que oferece o menú turistico por 290 que inclui  um refrigerante ou água,  prato principal e alguma sobremesa simples. 

Lá na Trattoria da Piero há um menú assim também que custa 370 pesos uruguaios. 

E hoje voltando de outra viagem - tema dos próximos posts - decidimos parar em Piriápolis para almoçar, e voltamos na Trattoria de Piero. Pedimos peixe de novo rs e estava igualmente delicioso!


Pedi "brotola com crema de camarones", um prato bem parecido ao que já tinha provado: o filé em volta do purê de batata gratinado, a diferença ficava no creme usado e nos camarões dando o ar da graça.


Meu namorado pediu de novo o peixe do dia com a diferença que o peixe de hoje era a brotola.


Para acompanhar pedimos um vinho chardonnay... e depois fomos tirar uma sonequinha no parque sob a sombra das arvores.

Fica a dica para quem passar pelo simpático balneário! ;)

Abraço!

13

Hospedagem em Piriápolis

Fim de semana passado fomos a Piriápolis e voltei mais encantada com o lugar, definitivamente é minha cidadezinha preferida aqui no Uruguay.

Não sei dizer exatamente o motivo, só sei que é uma paz enorme que sinto lá que me dá a sensação de estar em casa.

Piriápolis nessa época do ano não tem agito nem badalação, não tem os edifícios nem as lojas de luxo da vizinha Punta del Este para encher os olhos dos visitantes, não há uma lista interminável de atividades, e cá entre nós a graça está justamente nessa despretensiosa falta do que fazer.

A ideia do fim de semana era descansar, namorar e aproveitar a tranquilidade. Procurando hotéis encontrei muitas opções a bons preços - bendita seja a baixa estação!

Achei  muito hotel arrumadinho disponível na média de 70 dólares, mas eu não queria um quarto de hotel equipado, queria algo mais rústico com cara de casa de praia, com uma varandinha onde pudesse ver o mar, e isso não foi tão fácil de achar.

Daí lembrei de um hotel que reunia essas características e  entrei em contato, quando me disseram que tinha uma rede na varanda, conquistaram meu coração rs!


O hotel é o Apart Hotel Terrazas de San Francisco e recomendo muito.


O apartamento é ótimo, fica em frente a praia, e na varanda além da rede, tem uma mesinha e cadeiras que fazem o café da manhã a coisa mais linda para começar o dia.

Como é um apart-hotel, tem também uma mini cozinha com fogão, geladeira, mesa, cafeteira e todos os utensílios como pratos, panelas, etc. 

O quarto tem ar, armário, tv de plasma, cama confortável. E o banheiro tem um chuveiro que cai água de verdade - detesto chuveiro com água fraca.

Ah, e da varanda ainda dá para escutar o barulhinho do mar: muita alegria no meu coração rs! :P

A diária custou 1.790 pesos uruguaios, mais ou menos R$179, os quartos menores custam R$159.



P.S.: o café da manhã não está incluído na diária, compramos coisinhas no super e tudo ok!

P.S2.: não tenho fotos do quarto, quem quiser ver mais, dá uma olhada no site do hotel.

Abraço! ;)

6