Onde comprar vinhos em Montevidéu

Nosso lugar favorito para comprar vinhos em Montevidéu é na Balbuena Wines.

Um local simpático bem pertinho do querido Mercado Ferrando e Parque Rodó, ou seja, fácil de encaixar no seu roteiro turístico, que oferece uma seleção impecável de vinhos uruguaios.


Pra mim o diferencial da Balbuena é o suporte ao cliente, as recomendações são sempre pertinentes e interessantes, mesmo pra gente que já conhece bastante do mercado local.


Onde comprar vinhos em Montevideu

Levamos mais de uma década visitando vinícolas e consumindo vinhos nacionais, eu digo em tom de brincadeira que é contra a religião da nossa casa comprar garrafas gringas, mas a real é que o que entra de vinho estrangeiro aqui é garimpado nas viagens, uma vez no Uruguai nossa aposta é 100% em vinho uruguaio e tem tanta coisa boa, gente! 


Se deixem surpreender, a oferta só melhora a cada ano e eu recomendo fortemente que vocês experimentem a produção local.


E reclamem quando não encontrarem vinhos uruguaios nos restaurantes, as vezes acontece por questões comerciais e de patrocínio de só ter vinho argentino ou então só de uma bodega rica uruguasha - não tem nada de errado com a bodega rica, gosto e consumo também - o problema é quando não tem mais espaço para outra coisa e todo canto que vai tá lá a mesma marca, mas olha eu com uma leve polêmica e fuga do tema para variar hehe. Não sei se resolve, mas pelo menos fica a constância que percebemos e queremos mais.


A Balbuena é um projeto com pasión, tocado pelo Santiago que é um grande entusiasta do ramo e o Líber que tem uma trajetória consolidada no mundo dos vinhos, já foi premiado melhor sommelier do Uruguai e representou o país em concurso internacional, conhece de perto os produtores e os muitos rótulos dos mais variados que encontramos na loja: são cerca de 130 opções. 


0

Sacramento: o básico e o bairro histórico

Dando continuidade ao nosso roteiro em Colônia do Sacramento, trago hoje as curiosidades e bonitezas clássicas para desbravarmos de um jeitinho especial seu charmoso bairro histórico.

Para tal vou começar com um breve contexto histórico: Colônia guarda a peculiaridade de ter sido fundada pelos portugueses em 1680, é considerada a cidade mais antiga do Uruguai (como referência, somente 46 anos depois iniciou-se a fundação de Montevidéu). 

A ocupação dessa região foi uma estratégia portuguesa a fim de manter os lucrativos laços comerciais na rota do escoamento da prata e contrabando de produtos manufaturados entre as colônias no Novo Mundo e Europa.

Alguns detalhes dessa linha do tempo são interessantes relembrar, não é curioso pensar numa afronta assim nas fuças do inimigo? A cidade de Buenos Aires (na época um domínio espanhol) se encontra distante apenas 50 km de Colônia pelo rio. Por que escolheram essa localidade e não outra? 

Muita gente pula essa parte, mas eu sou a turista perguntadeira hehe. Cê fique a vontade para ir direto ao roteiro rolando mais abaixo.

Roteiro em Colonia do Sacramento

Prévio a esse momento da ocupação, tivemos um longo período compreendido entre 1580 e 1640 regido pela União Ibérica que foi a unificação das coroas portuguesa e espanhola sob o domínio do rei Felipe II da Espanha: num golpe de sorte ou azar - dependendo de qual lado te conta - quando o Sebastião, então rei de Portugal, morreu numa batalha na África sem deixar herdeiros diretos, quem terminou abocanhando o trono foi seu tio Felipe - vulgo rei da Espanha -  que faceiro passou a administrar simultaneamente os dois maiores impérios do mundo. 

Os vínculos se estreitaram, rolando ali um comércio - do dicionário exploração - intenso entre Potosí, Buenos Aires e Brasil. Numa certa camaradagem - pero no mucho como veríamos mais adiante - já havia um número razoável de portugueses fazendo negócios e habitando também em Buenos Aires. 

Quando finalmente Portugal recuperou sua autonomia política, desvinculando-se totalmente da Espanha, entendeu necessário fortalecer as fronteiras e retomar sua influência nas rotas comerciais, o que significava posicionar-se estrategicamente também no eixo rioplatense. 

0

Fim de semana em Montevidéu

Fiquei na dúvida se trazia o título desse texto como um fim de semana ou rotas gulosas em Montevidéu, gosto mais do segundo que surgiu acompanhando a viagem de um cozinheiro argentino pela capital uruguaia.


Modo nostalgia total. Quando mudei para o Uruguai via muita tv tentando aprender as nuances do idioma - hoje nem temos mais tv em casa! - e não perdia o programa Cafe San Juan, o formato era incrível, sem a rigidez dos programas culinários da época, o Lele mostrava os bastidores do seu bistrô: desde o processo criativo do menu às compras, receitas e serviço. 


Já tinha anos que não via nada dele e de repente rolando o instagram apareceu como sugerido, foi como voltar no tempo. Terminei de assistir com um sorrisinho orgulhoso: o rolê foodie dava um match quase integral com as escolhas do nosso guia


Escrevi e imediatamente veio o ranço do vício linguístico das expressões em inglês. Eu me permito a troca com o espanhol, latinos que somos, de onde escrevo e tudo mais, mas o inglês além de achar brega esse excesso que andamos recorrendo, ainda falo mal pra caramba a língua, não tem sentido nem defesa haha. 


A primeira coisa que veio à cabeça para substituir foi rotas gulosas. E na moral - sinta agora o baianês - quem precisa de foodie quando se tem guloso no dicionário? <3


Só batizei o texto com o fim de semana porque não só comemos nessas escapadas para a capital, tem sempre ali no pacote um museu, livraria, parque, feira, pracinha com as crianças. A gente quer comida, diversão e arte.


Rota gastronomica em Montevideu
Sobremesa no Savarin

Ou la vida mismo desenrolando, o ritmo e o que faziamos quando moravamos em Montevidéu e escapavamos da rotina rumo ao leste que agora é casa, olha as voltas, se até minha vida é um vai e vem, não me peça mais objetividade num texto sem limite de caracteres hehe.


0

Roteiro no Uruguai: Colônia do Sacramento e Carmelo

Faz pouco mais de um mês cruzamos o Uruguai de leste a oeste e fomos passar uns dias em família entre Colônia do Sacramento e Carmelo, destinos que amamos e repetimos já nem sei dizer quantas vezes.

Mostrei alguns achados e belezas da viagem no Instagram (nunca ao vivão porque não sou dessas, não dou conta nem tenho intenção de dar hehe). Voltei querendo fazer mais, escrever mais, registrar onde não desaparece em 24h .  

Pisar no freio. Um cadinho da sua atenção sem 47 atualizações piscando por minuto, obrigada. Vou fazer um mini guia, pensei antes da viagem. Faz tempo prometo (pra mim mesma) juntar toda info e publicar um material desse nosso jeitinho com outros destinos do Uruguai. 


Roteiro em Colonia do Sacramento


E ficou pronto, vai sair logo mais um PDF (tá na edição, viva!), mas queria o conteúdo aqui no blog também. Integralmente e de forma gratuita que não é novidade nesses 12 anos de blogueiragem. Antes de virar guia, tudo é compartilhado (e as vezes copiado sem nenhum creditozinho kkcry). 


O formato guia é nossa curadoria organizada, atualizada e fácil para acompanhar sua viagem. O dinheiro arrecadado é um incentivo simbólico ao conteúdo honesto e autêntico que apresentamos. Sua colaboração faz a diferença.


Muito que bem, vamos começar com o roteiro? Vou fazer um resumão dos lugares que passamos nessa viagem e durante a semana vou liberando uma serie de post com as propostas mais detalhadas.

A primeira parte em Carmelo:


Hospedagem: Casita em Zagarzazu

0

Dicas de Punta del Este no inverno

Um resumão com meus lugares preferidos em Punta del Este (e arredores) que seguem abertos também no inverno. 


Estive trocando muita figurinha com os viajantes nos últimos dias e achei que valia a pena compartilhar as principais recomendações para as férias nessa época do ano: a primeira é ajustar as expectativas quanto ao clima e agito, a partir de maio já faz frio, sim, alguns lugares podem ficar vazios mesmo, mas sabendo onde ir, sempre tem o que fazer, sempre.


No verão meio que a gente tropeça e cai num evento, as coisas vão desenrolando fácil porque está tudo pleno, aberto, são muitas opções sem esforço, já na média e baixa temporada tudo é mais discreto, intimista, então precisa dedicar um tempinho organizando melhor o roteiro, mas a blogueira aqui tá entregando tudo na mão: guarde esse mini guia e aproveite <3 


Roteiro Punta del Este no Inverno


E se puder contribuir com nosso projeto independente que traz informações sobre o Uruguai há mais de uma década - esse bloguito amado! - adquira nosso Guia Digital de Montevidéu, encaminhe para um amigo que está planejando visitar o país, ajude a chegar em mais pessoas, gracias!


A outra dica para o roteiro fluir melhor é dar preferência para estar entre quinta e domingo, é quando encontramos mais propostas disponíveis.


Agora vamos para a lista, adianto que tem mais lugares, tá? Fiz essa versão primeiro para o Instagram e fiquei limitada as 10 fotos do carrossel, deu nem para ultrapassar os limites de Manantiales e chegar em La Juanita e José Ignacio que amo fuerte (deixem nos comentários se quiserem a parte 2).


1- Mansalva Café e Tres Musas Design


Um multi espaço lindo e bem pertinho da fantástica Casapueblo (saiba mais sobre a casa clicando no link) para visitar antes ou depois: é livraria, café, lojinha tudo junto e misturado. Uma delícia.

2

Cervejaria na Ciudad Vieja

O post de hoje vem com dica boa: uma micro cervejaria artesanal no meio da Ciudad Vieja, vizinha ao famoso Mercado do Porto.

O visitante distraído pode até passar sem perceber o que acontece atrás das portas, salvo em dias de música ao vivo, é impossível passar inadvertido: a música e alegria invadem a rua.



Foi numa quarta a noite que visitamos a Indica Beer, provamos as cervejas e bailamos com os queridos da Banda de Los Lunes que já são praticamente uma instituição do bairro.

Há vizinhos que carinhosamente se referem aos encontros musicais como a missa do bairro, o clima é assim de intimidade, muita gente se conhece, outros chegam pela primeira vez, turistas de diferentes partes do mundo, a buena onda em comunhão.


0

Montevidéu: 3 cafés no Centro

O post de hoje traz três dicas de cafés imperdíveis no Centro de Montevidéu (e de quebra algumas referências  que podem enriquecer o seu roteiro)


Três lugares que sempre alterno quando busco uma pausa nessa região, são opções que costumam deixar o dia mais gostoso e feliz, quase como refúgios em meio a rotina apressada própria dos centros das capitais. 


O primeiro da lista é o Atorrante que fica bem perto do Mirante da Prefeitura (ou Mirador de la Intendencia), um ponto que sempre recomendo para começar as andanças turísticas. 


O espaço é belo, o café é especial e o menu bem apetitoso, as medialunas merecem destaque, mas funciona bem tanto para o café da manhã como almoço. 


2

Fotógrafa brasileira no Uruguai

E chegou o dia feliz de anunciar esse projeto de ensaios de fotos no Uruguai.


Já tinha adiantado a novidade no ano passado e estava bem ansiosa para começar a fotografar aqui.


Abrimos a temporada de fotos em Punta del Este com uma família super querida (fizemos a consultoria de viagem no Uruguai e todo o roteiro dos 10 dias que eles passaram desbravando o país de leste a oeste de um jeito único com as atividades desenhadas especialmente para o grupo).



Antes de mostrar mais registros desse dia hermoso de verão no Uruguai, vou contar como funcionam as sessões.


4

A Laguna de Rocha e Cocina de la Barra

Fizemos uma viagem curtinha de fim de semana para La Paloma agora em janeiro, ainda temos planos de ir para o nosso balneário preferido de verão e descansar como dios manda por mais uns dias.  


Essa ida foi especialmente para assistir o Festival La Serena - e aqui eu preciso deixar registrado que foi incrível e tive meus 15 segundos de tête-à-tête com o Jorge Drexler com direito a abraço haha - e de quebra conseguimos fazer um passeio que tinhamos pendente há anos: visitar a Laguna de Rocha e o restaurante Cocina de la Barra.


A laguna integra o sistema nacional de áreas protegidas, são mais de 220 espécies de aves residentes e migratórias que habitam a zona, até flamingos podemos encontrar.



A área é imensa, ocupa cerca de 22 mil hectares, uma paisagem exuberante e comovedora que nos acompanha em todo o caminho até o restaurante, um projeto das mulheres pescadoras da laguna.


A comunidade que vive há mais de 70 anos nesse cenário bruto e paradisíaco tem cerca de 30 famílias que vivem da pesca artesanal.


A iniciativa dessas mulheres, mães, empreendedoras que se organizaram coletivamente ampliou as oportunidades para todo o grupo. Juntas, elas pescam, cozinham, atendem, criam (no sentido mais rico e bonito da palavra, criam outras possibilidades, criam histórias, criam os filhos). 


O sucesso do restaurante já vem de muitas temporadas, a cozinha é simples, caseira e saborosa, elas dizem que fazem o que sempre cozinharam em casa com o que a laguna dá, desejam manter-se fiel ao entorno natural onde cresceram, sem gerar grandes intervenções, assim ajudando também a protegê-lo. 

0