3 pratos clássicos de inverno

Começando nossa série de inverno falando sobre costumes e comida: 3 pratos típicos da gastronomia uruguaia que casam perfeitamente com os dias mais frios.

Eu quando cheguei no Uruguai para morar - lá no ano de 2011 - achei muito estranho descobrir que popularmente havia uma seleção de comidas que eles só faziam no inverno.

Na cabeça da maioria dos uruguaios não faz o menor sentido comer ensopados ou qualquer outro prato de caldo quente quando o tempo não está frio. 

Era muito curiosa a reação das pessoas quando me viam comendo feijão fora da estação (na marmita que levava e abria na cozinha coletiva do trabalho, por exemplo), aquela coisa de confirmar clichês: 'vocês comem feijão o ano inteiro MESMO'.

Sim, pra gente uma feijoada cai bem sempre. Faça chuva ou faça sol. E é bonito ver como comida é cultura, aqui em casa as diferenças ficaram muito presentes depois que a nossa filha nasceu. 

Papinha de feijão para guri antes do primeiro ano de vida: como assim, não faz mal? Abacate amassadinho com banana: mas cê tá louca colocando banana no guacamole? Não foram poucas as vezes que precisei dizer que o danado era fruta e para chocar geral complementava informando que comemos inclusive batido com leite e açúcar.  Caras de nojo infinitas hehe.

Aprendi a achar razoável encontrar alguns dos meus pratos preferidos apenas em determinados meses do ano e até concordo que tem lógica deixar essas comidas contundentes para os dias frios: aquece a alma e dá uma levantada no corpo, apesar de continuar seguindo o coração cozinhando tudo o ano inteiro hehe. 

Se a sua viagem vai acontecer entre os meses de maio e agosto, considere-se sortudo! Você terá a oportunidade de provar essas comidas de estação em muitos restaurantes. 

No post de hoje trago três opções ricas em sabor e história. O Uruguai tradicionalmente é um país de imigrantes, muitos dos pratos típicos são adaptações de outras culturas utilizando ingredientes locais, misturando referências.

Um erro comum é achar que a culinária típica se limita ao churrasco. Muita gente viaja e volta - muitas vezes até vive aqui - repetindo esse mito. A comida caseira uruguaia é rica, variada e gostosa.

Os temperos são diferentes, sim. Mais suaves, o uso do sal é bem menor, mas existem boas possibilidades além das carnes na parrilla e essa época é uma boa oportunidade para conhecer um outro lado da gastronomia local.

Agora vamos com aos 3 pratos selecionados: 

Guiso de Lentejas: 

Meu preferido de sempre. Um ensopado de lentilha com linguiça muito saboroso (dá para fazer uma versão vegana que fica igualmente deliciosa). Confort food total. Bem fácil de fazer em casa, a Lu já ensinou a receita clássica nesse post

Dica inverno no Uruguai
Foto @_alvin_ph

Pausa, desabafo e o inverno no Uruguai

Algumas tentativas de iniciar esse texto e outros tantos que ficaram pelo caminho nesses 2 meses sem publicar novidades. Chamei de bloqueio criativo. Culpei a rotina cheia de afazeres e a preguiça com as perguntas repetidas sobre assuntos que já escrevi inúmeras vezes.

Não tem nada mais brochante nessa vida de blogueira do que perceber que a dúvida que chegou partiu de alguém que caiu de paraquedas, não leu uma linha do que foi escrito, mas teve a esperteza de pedir ajuda. 

Inverno no Uruguai

E digo esperteza porque não dá para levar a sério quem julga o próprio tempo mais precioso do que o tempo do outro. Aquela história da pessoa que não pode perder 5 minutos lendo um post ou fazendo uma pesquisa (a maioria sabe como buscar na lupinha, marcadores e tal), mas acha que o outro pode parar 5 minutos para responder.

Daí isso andava acontecendo o tempo todo (na real ainda acontece) e eu não via mais sentido continuar escrevendo, mantendo o blog atualizado, parecia um trabalho inútil e sem graça.

Divaguei se seria o fim da era dos blogues em geral, se a ferramenta já estava obsoleta mesmo. Até lembrar - de novo - que escrevia porque me fazia bem, uma necessidade minha e que poderia escolher ignorar a montanha de chatice e seguir o baile. 

Não é a primeira vez, já tinha comentado algo parecido no ano passado, mas agora foi a vez que mais tempo durou. 

Achei que cabia o desabafo antes de contar a parte boa para quem realmente acompanha o bloguito, gosta do conteúdo que pinta por aqui, está sempre incentivando e espalhando amor! <3

Roteiro no Uruguai: Carmelo e Colonia

Voltei tão entusiasmada dessa última viagem pelo oeste uruguaio que não restou mais dúvida que é a minha rota preferida.

Colonia e Carmelo reunem propostas que se complementam, ignorar a presença de uma ou outra é quase um pecado.

Porque tem história, tem cenários fofos, tem vinhedos, tem praias de rio, tem campo, tem gastronomia, tem beleza, tem poesia.

É ótimo para quem viaja em família, perfeito para uma viagem romântica, ideal para quem procura paz e encanto.

Se você está preparando o roteiro pelo Uruguai e ainda está indeciso sobre o que incluir, aposte nessa dupla sem medo.

O post de hoje tem a missão de facilitar esse planejamento respondendo os principais questionamentos dos viajantes sobre o roteiro no oeste uruguaio.

Roteiro no Uruguai: Colonia e Carmelo

Top 6 vinícolas nos arredores de Montevidéu

Para comemorar a época da colheita nos vinhedos que acontece entre fevereiro e março, trago um post especial com 6 dicas de vinícolas maravilhosas para conhecer nos arredores de Montevidéu.

São seis propostas diferentes, acho de verdade que cada vinícola oferece uma experiência única, todas guardam um encanto particular, escolher qual - ou quais - visitar vai depender das prioridades do viajante: se o foco é provar vinhos diferentes, um almoço mais elaborado, uma estrutura mais ostentação para fotos, um atendimento mais personalizado, uma produção mais artesanal, etc.

Tem lugar para tudo e talvez por isso fico tão incomodada quando vejo todo mundo apostando na mesma escolha.

Muitas vezes por falta de tempo, o roteiro está apertado e só dá para visitar um lugar, pouca gente quer arriscar e vai naquela dica certeira e é lindo, não tem nada de errado ir na bodega que todo mundo vai (adoro, inclusive).

Outras tantas ocorre por falta de informação, por desconhecimento de mais opções no caminho e aí que fico agoniada! Porque encontramos textos sobre as vinícolas uruguaias em blogues especializados em vinhos, mas nesse nicho de viagem é raro achar relatos de outras bodegas e fica parecendo que só tem uma possibilidade vizinha a Montevidéu.

Então o post de hoje além de ser comemorativo da vindima - como é chamada esse tempo de colheita - é também para suprir uma falta aqui no bloguito: um texto unindo as dicas espalhadas ao longo desses anos sobre as vinícolas imperdíveis próximas a Montevidéu.

Vamos começar?

1- Casa Grande Arte y Viña

A Casa Grande é uma graça, parece um lugarzinho saído do Pinterest, cada canto fofo, aconchegante, uma delícia de lugar.


Onde se hospedar em Punta del Este

Na nossa última viagem a Punta del Este, aproveitamos os preços mais simpáticos da média temporada para ficar num hotel mais confortável.

A variedade de alojamento é imensa, talvez seja o destino com mais opções em todo Uruguai, tem para todos os gostos e bolsos: hotel pé na areia, hotel de campo, pousada boutique pequenina e charmosa, quartos básicos e executivos, além de toda oferta de apartamentos para aluguel por temporada. 

Escolhemos o Punta del Este Resort e Spa - antigo Mantra Hotel - para curtir o fim de semana e o lugar atendeu direitinho nossas expectativas.

Viajamos com nossa filha de 2 anos e entre um passeio e outro na cidade, queriamos descansar também. 


Ousados. Porque não sei se vocês já viajaram com criança hehe, mas o descanso com os pequenos tem outro formato. Não rola dormir até as 10h, por exemplo. O dia começa invariavelmente mais cedo. 

José Ignacio e almoço no La Huella

José Ignácio é um balneário curioso, cruzando os limites de La Barra e Manantiales, a gente  automaticamente sente que muda o desenho, muda o ritmo, mudam as cores.

Paisagem mais rústica, bruta, leve.

Na pequena comunidade regem códigos visíveis e invisíveis que vão desde o plano de desenvolvimento que proíbe a construção de tantos metros (ou seja, não encontramos aqueles prédios enormes e espelhados fazendo sombra na praia) a detalhes que buscam não afetar a atmosfera tão particular do lugar: cartazes chamativos não são bem-vindos, publicidade escancarada de marcas tampouco.

Os locais afirmam sem a menor cerimônia que não querem ser a nova Punta. Resistem, ao passo que terreninhos básicos podem custar algumas centenas de milhares de dólares.

Um universo natural, mas um tanto exclusivo. Pode soar contraditório, eu sei. Mas o resultado é um balneário diferente, cheio de charme e personalidade.

A Montevidéu de Galeano

Há tempos vi uma publicação em espanhol sugerindo um tour em Montevidéu inspirado no escritor Eduardo Galeano e achei a proposta genial.

Os lugares citados não eram nenhuma novidade pra mim, já os conhecia, havia passado inúmeras vezes por eles, mas li a matéria e fiz o itinerário mentalmente, a magia estava na sequência, na referência onipresente do Galeano em diferentes lugares da cidade catalogados numa tacada só.

Fui procurar o texto original, mas a internet - essa terra bandida - replicava em vários lugares e a surpresa foi ver o texto também em português na Folha.  Não sei quem escreveu ou onde foi publicado primeiro, só sei que não fui eu.

Sei também que não era segredo os lugares preferidos do Galeano, em especial na Ciudad Vieja: o Café Brasilero, a livraria Linardi y Risso, o caminho entre a rambla 25 de Agosto e Gran Bretaña. 

Foi o roteiro que intencionalmente escolhi fazer anos depois daquele passeio imaginário no sofá de casa. 

Convidei a Lu e fomos no início de uma manhã desayunar no Café Brasilero, a sorte sorriu e encontramos a mesa junto à janela vazia, era onde o Galeano costumava sentar para ver a vida passar sem pressa.