O Arboretum Lussich em Punta

A Punta que eu gosto é mais fora do óbvio, menos estacional, tem vida além mar e baladas, é interessante mesmo passado o verão (ainda que eu ame o verão e suas obviedades também, tá? Deus me libre ser blasé, bikini e clericot  melhor clichê).

Gosto das possibilidades, outras formas. Da natureza que abunda e da tranquilidade que reina nos outros meses do ano.

O texto de hoje traz uma dica bem gostosinha de passeio menos recorrente quando se pensa no balneário: uma caminhada no bosque, ali no Arboretum Lussich e visita ao seu pequeno museu.

Arboretum quer dizer coleção de árvores, exatamente o que a família Lussich criou. 

Nesse bosque de quase 200 hectáreas estão catalogadas cerca de 380 especies, sendo aproximadamente 70 da flora nativa e as demais oriundas de outras partes do mundo.

Como tudo surgiu é um caso curioso. Seu Lussich no final dos anos 1800 e bolinhas comprou nada menos que mil e oitocentas hectáreas de campo, um investimento meio controverso onde o vento faz a curva, um terreno pedregoso, supostamente infértil. 


Conta-se que a sra. Lussich teria ficado muito incomodada numa noite de tormenta e ventania intensa que bagunçou todo o casarão da família, ela queria uma solução, uma barreira natural para se proteger do vento constante e começou a plantar bromélias ao redor da casa, supreendentemente floresceram.

Começou então a saga para semear as terras. Botânicos de todo o mundo que por ali passavam, diziam que era impossível crescer algo. 

Indiferente - e entusiasmado com o sucesso da esposa -  seu Lussich começou a estudar e plantar. Testou com sementes dos 5 continentes e contrariando a ciência da época, criou um bosque inteiro. A  persistência que mudou o ecossistema desse pedaço do país.


O bosque do Arboretum tem entrada gratuita. São 20km de rotas e tem mirante para apreciar a vista bonita de Punta Ballena. 

Dá para fazer a caminhada por conta ou esperar as visitas guiadas com os guardas que acontecem 3 vezes por dia (às 10h, 14h e 16h, mas esses horários podem mudar dependendo da temporada, etc, recomendo consultar diretamente antes de ir).

É um passeio bem gostoso para fazer com crianças, desde bebê minha filha curte esses rolês Dora exploradora - walking in the jungle, imaginação é tudo. 

Levem calçados cômodos e água, o básico para qualquer caminhada (embora já tenha feito assim de saia midi e sapatenis haha, mas dá pra fazer melhor, né).


O Arboretum Lussich foi por um bom tempo uma atração quase secreta - inclusive entre os uruguashos, várias vezes comentei com amigos locais que nunca tinham ido ou até mesmo ouvido falar do lugar - e nunca entendi a razão hehe. 

Recentemente fizeram uma reforma, o casarão que abriga o museu foi reaberto em março mais moderno e interativo, o acervo consta de peças de arte, documentos e objetos da família Lussich que era influente e bem relacionada - o Antonio foi escritor e homem do mar, dono de uma das maiores companhias marítimas de resgate do mundo.

Apostaram bastante na divulgação, ampliaram as propostas e agora encontramos também uma lojinha com artesãos e produtores locais e a cafeteria Checa.

A entrada do museu custa 150 pesos, menores de 6 anos não pagam. 

Foto antes da reforma, o casarão mudou de cor e ficou ainda mais bonito.

A história do café merecia até um post a parte, resumindo muito começou com uma checa que veio visitar a família e o país do namorado uruguaio sem maiores planos até que estourou a pandemia e por aqui mesmo ficaram, para levantar uma grana ela começou a vender doces típicos do seu país na orla de Piriapolis, cidade vizinha, todo dia eles iam de carro e armavam uma mesinha com os doces, o povo amou. 

Os quitutes ganharam tanta fama na região que eles foram convidados para tocar esse projeto do novo café do Arboretum. Funciona de quarta a domingo. 

Adoro todas essas curiosidades, nos lembra que os lugares se fazem de gente, suas ideias, erros e acertos.

Abraço e boas descobertas! <3


Nenhum comentário