Rota dos queijos em Colônia

Venho recomendando há anos essa rota dos queijos artesanais - acho a melhor surpresa no caminho até Colônia do Sacramento - que ainda segue fora do radar do turismo de massa.

 

Essa parte do oeste uruguaio teve forte influência da imigração italiana e suíça, a cidade de Nueva Helvecia, por exemplo, é um caso curioso: até hoje eles mantêm os escudos dos cantões suíços de origem das famílias nas fachadas das casas e vários pontos da cidade fazem referência a esse legado.


As queijarias que facilmente encontramos entre as cidades de Colonia Valdense e Nueva Helvecia - distante apenas 60 km de Sacramento - são uma herança dos costumes desses imigrantes que trouxeram o conhecimento e a técnica da elaboração de queijos. 


Rota do queijo no Uruguai

No paraíso, ou queijaria La Cumbre.


Há registros do ano 1891 que constatam a presença de 300 famílias de origem suíça e 100 queijarias instaladas no departamento de Colônia, um número expressivo, principalmente levando em conta o tamanho das cidades nessa região.


Daí que a diferença de clima, do gado e outros fatores, levaram à necessidade de improvisar e adaptar, surgindo então uma nova variedade de queijo própria dessas bandas: o queijo colonia. Batizado assim com o nome do departamento (Estado) onde nasceu. 


É um queijo semiduro elaborado com leite de vaca que muita gente associa a um tipo Gruyère, um clássico - e uma delícia! - da gastronomia local. 


Tenho visto também as queijarias resgatando o queijo Yamandú, outro próprio uruguaio e menos popular - não por ser menos gostoso, ao contrário, é maravilhoso! -  desapareceu por um tempo por questões da indústria láctea, hoje vem retomando as prateleiras e conquista dia a dia novos consumidores, virou meu preferido (por mais carinho que tenha ao colonia, risos).


Um tipo gouda elaborado também com leite de vaca que para muitos técnicos seria o queijo uruguaio por excelência.


Queijos uruguaios


Além desses dois queijos de origem uruguaia, nas queijarias encontramos excelentes opções de parmesão, provolone, muçarela, azul, sbrinz, etc: experimente tudo que te apetecer.


Meu lugar favorito para fazer uma pausa na viagem e comprar queijos é a Granja La Cumbre, foi lá onde provei pela primeira vez o queijo Yamandú. 


Eles inauguraram faz pouco tempo um espaço que oferece brunch de campo e degustação de queijos - chamado Cultivo - que funciona de quarta-feira a sábado. 


Rota do queijo no Uruguai
Rota do queijo em Colonia do Sacramento


Também não perco a chance de incluir outra parada, as opções vão surgindo na estrada, sinalizadas muitas vezes por placas singelas onde se lê apenas ‘quesos’, mas outras muitas delícias aparecem juntas: doce de leite artesanal, geleias, doces e conservas caseiras. 


Não é necessário nem entrar nas cidades (embora recomende uma voltinha em Nueva Helvecia) para encontrar ótimas surpresas, elas aparecem na estrada mesmo ou num desvio muito curto, como a Granja Los Fundadores e Extrablatt Chocolates, Quesos Los Criollitos e Quesería Las Acacias (e a própria Granja La Cumbre citada anteriormente).


Rota do queijo no Uruguai
Rota do queijo no Uruguai
Rota do queijo no Uruguai
Rota do queijo no Uruguai


Não esperem nada muito formal, é simples e a graça é esse lance um tanto improvisado, conversar com o pequeno produtor, descobrir novos sabores.


A voltinha em Nueva Helvecia - que é conhecida também como Colonia Suiza - é rápida, vale pela curiosidade, uma cidade que encontro sempre tranquila e limpa. 


Cruzamos o portal de madeira que dá as boas vindas e logo chegamos na Plaza de los Fundadores, experimente uma pausa na clássica Chocolateria Tante Eva ou na novata Puppe


Antes de ir embora, visite a parte externa do bonito Hotel Suizo, fundado em 1872, foi o primeiro hotel turístico no interior. 


Do outro lado da estrada, em Colonia Valdense, fica o Centro Emmanuel que é granja e centro ecumênico, promove retiros e oficinas ecológicas. No sábado pela manhã fazem uma feirinha com os produtos orgânicos do centro e de outros produtores da região (tem vinho, doce de leite, mel, frutas e verduras, e claro, queijos).


E para quem deseja fazer uma imersão completa no mundo dos queijos, é nessa altura que fica a lindíssima La Vigna EcoLifestyle, uma pousada de campo e queijaria artesanal.  


Projeto de uma família argentina - a Lucila, o Agustín e seus 3 filhos - que trocou a intensa capital portenha pelo campo uruguaio há mais de 20 anos.

 

Produção orgânica, bem estar animal, respeito aos ciclos: toda uma filosofia slow e ecológica por trás do negócio. São uma grande referência na queijaria artesanal uruguaia, La Vigna é sinônimo de qualidade, queijos elegantes e criativos, especialmente as variedades feitas a partir de leite de ovelha e cabra. 


Rota do queijo no Uruguai
Rota do queijo no Uruguai


Há também outra opção mais próxima de Sacramento, a Nido Casas del Arbol é formada por casitas de madeira independentes e aconchegantes no meio de uma chácara, os hóspedes costumam receber mimos em forma de queijos do proprietário Martin Rosberg, outro nome de referência do mundo dos queijos. 


Chegando perto de Sacramento tem também uma granja inusitada, guarda um museu de coleções, é o rolê mais aleatório da estrada, risos,  mas se você curte objetos antigos, inclua essa parada. 


Na Granja Arenas encontramos o que eles dizem ser a maior coleção de lápis do mundo, mais uma infinidade de coisas nas paredes cobertas por vitrines: chaveiros, latas, garrafas, cinzeiros, etc. Um mundo a parte. E na lojinha os produtos tradicionais da região: alfajores, doce de leite, azeite de oliva e conservas.


E com esse texto encerro a parte de roteiros em Colônia do Sacramento (fica pendente só o post de lugares para comer que logo mais aparece). Gostaram das propostas? Já conheciam essas possibilidades fora do óbvio? Foi um prazer escrever e recordar esses lugares tão queridos do Uruguai.


Te convido a acompanhar mais novidades no nosso blog e instagram @viveruruguay.


Boa viagem, boa aventurança!




Nenhum comentário